musica


miércoles, 22 de enero de 2014

Soy un Árbol. A mis Maestros (Español - Inglés y Portugués)



El poema "Soy Un Árbol"  tiene que ser leído en primera persona...  no soy yo mismo que lo digo de mi ser, aunque lo haya escrito, lo sienta y lo crea, sino que cada lector tiene que leerlo en primera persona, saber y sentir que cada quien somos un árbol centenario del bosque y cada aseveración allí vertida es para ser asumida como propia del lector si así es que lo cree y siente con el corazón, solamente así tiene valor, pues la intención del escrito es tomar consciencia de ser uno mismo lo que allí se asienta y asevera. 
Este poema es un modesto tributo a todos los Maestros que en mi sembraron, mis Padres entre los primeros. 



Foto: Ceiba, Internet.


Soy Un Árbol.

Ves aquel niño? Él es germen, es todos los Hombres, es una semilla,
Fe y Amor por Dios sembró mi madre en mi corazón siendo niño,
Amor y Fe por el Hombre y la Madre Tierra en mi cultivó mi padre,
Hubo otros Maestros, más ellos dos labraron y plantaron mi espíritu,
Un Hombre es todos los Hombres, un Hombre también es un árbol…

Soy un árbol, amo ser un árbol del bosque y dar sombra a los demás,
¿Acaso soy una secoya, un guayacán, un roble, o un sabino?, no lo sé…
El ramaje se extiende para abrazar el cielo, hacia lo alto y lo sostiene
La Madre Tierra amorosa recibe a lo profundo la raigambre y la nutre
El sólido tronco une el Cielo con la Tierra… lo intangible con lo finito.

Aire, luz, agua y tierra han alimentado al Espíritu de los Hombres
Por mis venas corre la savia nutricia, tesoro de la humanidad entera,
Las semillas que guarda al gran árbol son en apariencia minúsculas,
Más ellas contienen toda la energía creadora del Cosmos Magnífico,
Así os digo: ¡Plantad, convertíos en labradores de almas, …sembrad!

Soy un árbol milenario, en mis ramas anidan las aves, amo sus trinos…
Bajo mi espesa fronda, junto a las raíces se sientan los enamorados,
La lluvia baña mis hojas, recorre el tronco, baja a los mantos vitales,
el tibio Padre Sol es caricia matinal que ilumina y energiza mis días,
El viento del norte agita y sacude mi copa, me alienta, lo amo y aspiro.

Cada año, Primavera hace brotar aromáticas y hermosísimas flores,
Las abejas, mariposas y colibríes revolotean libando en éxtasis gozoso,
Verano trae los dulces frutos, doncellas y jóvenes se regocijan y ríen,
Todos esparcirán semillas por doquier, el mañana traerá los retoños!
Amo prodigar, cobijar, nutrir; amo ayudar y darme a la Magna Obra.

¿Quién soy?
¿Acaso soy, un cedro, un baobab, o una ceiba sagrados?, ahora Yo Sé:
Soy el espíritu del árbol, el espíritu del Hombre, el espíritu del Cosmos
Yo Soy todos los árboles del bosque, y todos los hombres de la Tierra,
Yo Soy el Cosmos Magnífico, Yo Soy Uno y el Todo … ahora Yo Sé.




English


The poem I am a tree has to be read in first person by the reader... This poem isn’t about me, although I have written it, feel it and believe it, but every one has to read it in first person, feeling to be a centennial tree of the forest and every assertion there is to be assumed as their own by the reader if believes it and felt it with the heart, only in that way has value, because  the intention of the writing is aware of being oneself .

This poem is a modest tribute to all the teachers that in my planted, my parents among the first.




I am a tree.

Do you see that boy? He is germ, he is all men, he is a seed,
Faith and love for God planted my mother in my heart as a child,
Love and faith to Human and Mother Earth in my cultivated my father,
There were other teachers, they two carved and planted my spirit,
A man is all men, a man is also a tree...

I'm a tree, I love being a tree from the forest and give shade to the other,
Perhaps am a redwood, a trumpet tree, an oak, or a sabino?, I don't know...
The foliage is extended to embrace the sky, towards the top and holds it
Lover Mother Earth receives deeply the roots and nourishes him
His solid trunk unites heaven and Earth... the intangible with the finite.

Air, light, water and land have fueled the spirit of men
In my veins runs sap, the nourishing fluids, treasure of all mankind,
Seeds that produces the great tree appear to be minuscule, but
they contain all the creative energy of the magnificent Cosmos,
So I say: let's plant, let's to become farmers of souls,... Sow!

I am an ancient tree, in my branches nest birds, I love their trills...
Under my thick foliage, along with the roots sit down lovers,
The rain washed my leaves, runs through the trunk, low to the vital mantles,
the warm father Sun is morning caress that illuminates and energizes my day,
The North wind waves and shakes my cup, I encouraged, love him and aspire.



Every year, spring brings out aromatic and beautiful flowers,
Bees, butterflies and hummingbirds flit sucking in joyful ecstasy,
Summer brings the sweet fruits, young men and maidens rejoice and laugh,
All scatter seeds everywhere, tomorrow will bring the buds!
I love lavish, shelter, nurture; I love to help and give me the Magna Work.

Who am I?
Perhaps am I, a cedar, a baobab, or a sacred ceiba tree?, now I know:
I am the spirit of the tree, the spirit of man, the spirit of the Cosmos
I am all the trees of the forest, and all the men of the Earth,
I am the Great Cosmos, I am One and All... now I know.


Foto: Baobabs, Internet.

Portugués


SOU UMA ÁRVORE.
AOS MEUS MESTRES

O poema "Sou Una Árvore" deve ser lido em primeira pessoa... não sou eu mesmo que o digo sobre mim, embora o tenha escrito, sinta-o e acredite, se não que cada leitor necessita lê-lo em primeira pessoa, saber e sentir que cada um de nós é uma árvore centenária do bosque y cada afirmação aí derramada deve ser assumida como própria, se é que assim o crê e sente de coração; pois somente desta forma têm valor, uma vez que a intenção do poema é a de despertar a consciência da pessoa para que seja ela mesma quem aí se instala e comprova.
Este poema é uma modesta homenagem a todos os Mestres que semearam em mim, os meus Pais entre os primeiros.



Sou Uma Árvore

Vês aquele menino? Ele é o germe, é todos os Homens, é uma semente,
Fé e amor a Deus minha mãe semeou no meu coração, sendo ainda criança,
Amor e fé pelo Homem e a Mãe terra meu pai cultivou em mim,
Houve outros mestres, porém eles dois lavraram e plantaram o meu espírito,
Um Homem é todos os homens, um Homem também é uma árvore...

Sou uma árvore, amo ser uma árvore do bosque e dar sombra para as outras.
Por acaso eu sou uma sequoia, uma árvore de trompete, um carvalho ou um sabino? Não sei...
Os ramos se esticam para abraçar o céu e o seguram
A Mãe Terra, carinhosa, recebe suas raízes profundas e as nutre.
O tronco sólido une o céu com a Terra...o intangível com o finito.

Ar, luz, água e terra  têm alimentado o Espírito dos Homens  
Nas minhas veias corre a seiva nutritiva, tesouro de toda a humanidade, 
As sementes que a grande árvore guarda são aparentemente minúsculas,  
Porém, elas contêm toda a energía criadora do Magnífico Cosmos,  
Assim vos digo: Plantai,  convertei-vos em lavradores de almas… semeai! 

Sou uma árvore milenária, nos meus ramos aninham as aves, amo seus trinados...
Sob minha espessa folhagem, junto às raízes, se sentam os namorados,
A chuva molha minhas folhas, percorre o tronco e desce aos mantos vitais,
O tépido Pai Sol é caricia matinal que ilumina e energiza meus dias,
O vento do norte agita e sacode minha copa, acaricia-me, o amo e aspiro.

Cada ano a Primavera faz brotar flores belíssimas e aromáticas,
As abelhas, borboletas e beija-flores, saltitam em êxtase de alegria,
O verão traz as frutas doces, donzelas e jovens se regozijam e riem,
Todos espalharão sementes por toda parte, o amanhã trará os brotos!
Amo dar, abrigar, nutrir; amo ajudar e participar da Obra Magna. 

Quem sou?
Por acaso sou um cedro, um baobá ou uma ceiba sagradas?, agora Eu Sei:
Sou o espírito da árvore, o espírito do Homem, o espírito do Cosmos  
Eu Sou todas as árvores do bosque e todos os homens da terra 
Eu Sou o Magnífico Cosmos, Eu Sou Um e o Todo… agora Eu Sei.

(agradeço à minha cara amiga Celina Girardi, pela tradução ao Português.)




Francisco Valdés de la Torre.
Memento Audere Semper

México, MMXIV

No hay comentarios:

Publicar un comentario